Filosofia Comparada

Talvez o mais conspícuo historiador de filosofia dos últimos anos é Peter Adamson, o qual, em 2010, começou um podcast sobre The History of Philosophy Without Any Gaps (A História da Filosofia sem lacunas). Um projeto tão ambicioso não vai conseguir evitar certa superficialidade em alguns assuntos complexos e controversos, e o estilo às vezes até humorístico do autor não ajuda. O que admiro na empreitada de Adamson é a abrangência das suas simpatias filosóficas, que não apenas acolhe com seriedade a Filosofia Antiga e Medieval europeias (frequentemente marginalizadas por ideólogos de correntes prepotentes de Filosofia Moderna), mas também Filosofia Indiana e até Africana. Existem planos para incluir, em breve, podcasts adicionais sobre Filosofia Chinesa.

Já tenho ministrado por quase 20 anos um curso universitário de “Filosofia Oriental”, e também fui convidado para gravar um mini-curso sobre o mesmo assunto para um programa de pós-graduação online no sul do país (ver no final desta página). Todavia, o título certo da minha disciplina, como também da minha pesquisa, deveria ser “Filosofia Comparada”. Também um nome imperfeito, porque toda filosofia é comparada, mesmo dentro da mesma área geográfica do mundo. Mas tem a vantagem de superar a divisão meio artificial entre “Leste” e “Oeste”, e dirigir a atenção para os assuntos e as ideias, onde quer que se encontrem.

Com este nome entendo uma prática filosófica que possui cinco aberturas para com fontes de conhecimento que a Filosofia, hoje em dia, não pode ignorar, sem perder seu direito a uma abordagem “sinótica”. As aberturas envolvem atenções disciplinadas 1) às artes e às humanidades;  2) às ciências naturais e sociais (humanas); 3) às religiões e teologias do mundo; 4) ao passado (historicamente falando); e 5) a lugares alheios (geograficamente falando). Embora isso possa aparecer interdisciplinar demais, ou inclusivista a uma falha, apresso-me a acrescentar que a referida atenção exige só atenção mesmo, ou seja, receptividade para a verdade, onde quer que ela se esconda.
Junto aqui alguns recursos do meu site que dizem respeito a essa dimensão da minha pesquisa. Pretendo expandir e articular o conteúdo em breve.

Entre meus ensaios e resenhas (https://3wisdoms.com/my-writings-meus-escritos):

POSTS

Introducing Richard De Smet SJ

I have been reading Richard De Smet’s work for years and have found him to be the deepest and most erudite interpreter of Indian thought from within a traditional, Christian

Leia Mais

7 Ilhas (revisão de 2021)

Para quem já leu, baixou ou tem interesse em lê-lo, o relato português das minhas viagens, 7 Ilhas, agora existe em forma atualizada, com muitos erros corrigidos e o texto

Leia Mais

Amor e união – sinônimos?

Foi há 37 anos que passei duas horas conversando em Kalady, Índia, com esse monge da Missão Ramakrishna. Eu havia estado doente por seis semanas antes desse encontro, de modo

Leia Mais

Melquisedec e os Magos

Duas figuras aparentemente periféricas nas páginas da Escritura manifestam-se de um modo enigmático quando consideradas isoladas, mas começam a irradiar sentido quando vistas em conjunto. Refiro-me à figura de Melquisedec,

Leia Mais

Melchizedek and the Magi

Two seemingly peripheral figures in the pages of Scripture look somewhat enigmatic when viewed alone. But they begin to glow with meaning when considered together. I refer to the figure

Leia Mais

CURSOS

VÍDEOS