Duas lágrimas

 

Nossas vidas emocionais parecem simples. Choramos, rimos. Toda criança faz isso. Presumimos que sofisticação, paradoxo e mistério sejam reservados para as atividades mais adultas da razão e reflexão. Quando procuramos as dimensões mais profundas do mundo, e as mais furtivas das nossas próprias vidas, nos voltamos para os provedores de sistema e argumento. Deixamos as choronas na creche. Mas estamos enganados.

A experiência mais simples, provindo dos nossos corpos e até nossos fluidos, já levam as marcas do mais profundo enigma da existência humana. Refiro-me às nossas lágrimas. Que choramos na presença de grande dor ou profunda tristeza parece uma reação “lógica,” provocado de dentro das nossas complexidades evolucionárias. Dá-nos um tipo de descarga, como comer quando com fome, beber quando com sede, ou se deitar quando cansado.

Mas o que significa o fato de chorarmos quando profundamente felizes, ou quando abençoados com alegrias transcendentes? Porque é que tais circunstâncias não afastam as lágrimas como descabidas, ou até como desmancha-prazeres? No entanto, elas não fogem – quando muito, correm ainda mais. Não há diferença química entre os rios salgados que escorrem pelo rosto quando aprendemos que um ente querido tenha morrido, e o mesmo fluido que derramamos quando encontramos outo ente querido, ainda vivo, mas que não temos visto por anos. Lágrimas de alegria e lágrimas de tristeza – signos opostos, mas brotando dos mesmos mananciais. Elas vêm do fundo de corações que acabaram de ser alertados de um sentido, um segredo, que já sabiam que esteja ali, mas que ainda não conseguem verbalizar.

Share / Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on linkedin
Share on print
Share on email