News on Podcasts (and on “Eschatology”)

For my anglophone readers who would also enjoy becoming hearers, I am opening a “Podcasts” menu on my homepage. I have received audios of a number of programs I made many moons ago, which I had quite forgotten. I listened to them, expecting to be embarrassed at hearing my voice from so many years ago. […]

A ferramenta das ferramentas e a forma das formas

As assim chamadas obras “lógicas” de Aristóteles foram reunidas e ordenadas sob o título “Organon” (instrumento, órgão) desde que seu primeiro grande editor as agrupou no Século I a.C. Parece que ele, Andrônico de Rodes, usou esse rótulo sugerindo que Aristóteles considerou o estudo da lógica como sendo o instrumento preparatório inevitável, substancialmente propedêutico, que […]

O longo dedo em riste

Tanto o profeta quanto o filósofo estendem seus dedos e apontam: o profeta aponta indicando; o filósofo salientando. Mas ambos apontam. Ao fazer isso, eles se esforçam para levar ao seu alvo final aquele ato espontâneo de apontar que iniciou quando ainda eram crianças. Ninguém precisa ensinar um bebê a apontar, pois desde que nasce […]

Melquisedec e os Magos

Duas figuras aparentemente periféricas nas páginas da Escritura manifestam-se de um modo enigmático quando consideradas isoladas, mas começam a irradiar sentido quando vistas em conjunto. Refiro-me à figura de Melquisedec, em Gênesis, e à figura do Mago, em Mateus, (geralmente considerada como três ou mais Magos). Em contraste com os dois protagonistas imponentes que se […]

What Philosophy is not – and what it is (update 08.21)

No other area of knowledge suffers so much controversy over what exactly it is as does philosophy. The natural and (even more) the social sciences may harbor ambiguities in their methods and details of analysis, but there tends to be little serious dispute as to what they are studying. Not so with philosophy. Ask three […]

Chesterton sequestrado

No ano que vem, vou celebrar 50 anos de leitura das obras de G.K. Chesterton, e um pouco menos de leitura de Tomás de Aquino. Mas apesar da minha satisfação inicial ao ver o autor inglês ser cada vez mais aceito e lido no Brasil, ultimamente tenho mais preocupações do que satisfação. Vejo hoje mais […]

To my anglophone readers…

The lectures on both Virgil and Lucretius have now been added to the “Humanities” menu. I find them to be among the most memorable of the talks. Also, additions have been made to the “Eschatology” section.

Corruptio optimi pessima (port.)

  Em Filosofia, os romanos nunca foram páreos para os gregos, mas, com o seu instinto prático e amor à concisão linguística, eles nos legaram uma nutritiva colheita de aforismos latinos. Este é um deles: “a corrupção do melhor é o pior”. Os gregos amavam debater sobre o que ditos como esse significam, e assim […]

Corruptio optimi pessima

The Romans never became the philosophical equals of the Greeks, but, with their instinct for the practical and love of linguistic economy, they gave us a nourishing harvest of Latin aphorisms. This is one of them: ‘the corruption of the best is the worst’. The Greeks and the Germans love to expostulate for pages on […]

Sobre mudanças (e o permanente)

Uma chama é uma coisa. É por isso que damos a ela um nome e podemos apontar para ela. Podemos dizer o mesmo de um rio. Porém, o que essas duas coisas na verdade representam são duas espécies de mudança incorporada. Se a chama deixasse de cintilar, ou o rio de fluir, parariam de existir. […]